Seria melhor que a separação litigiosa fosse usada como último saída de uma separação.

Não é bom que se torne corriqueira a briga judicial, como diria o jurista Washington de Barros Monteiro: “mais vale um mau acordo que uma boa demanda”.

Os acordos são mais rápidos, provocam menos desgaste emocional, é trabalho do advogado alertar quem o busca pedindo socorro, os possíveis desdobramentos de um processo judicial.

O processo litigioso muitas vezes existe por causas não aparentes, são mágoas e dores de uma ou das duas partes, que não versam sobre dinheiro ou direito.

Este é um processo que pode ser iniciado apenas por uma das partes e a outra será chamada para exercer sue direito de argumentação.

O litígio, a briga judicial, sempre tem muitas facetas, algumas pouco aparentes mas de grande relevância.

Por isso, ainda que já se tenha ingressado com o processo judicial litigioso, sempre é tempo de buscar um acordo, mostrando para as partes que podem flexibilizar suas posições frente aos acontecimentos.

Por Alessandra Cervellini

Advogada Tributarista Empresarial