A Alienação Parental pode e deve ser combatida.

Desde 2010, já temos a Lei 12.318/10, que define quem , como e quando esse Pai, Mãe ou parente próximo ao menor, é considerado Autor da alienação e qual será sua punição.

Esta “alienação” é feita muitas vezes de forma camuflada e leva-se muito tempo para conseguir identificar e provar, que está havendo esta interferência na formação psicológica da criança ou do adolescente.

Tanto que a justiça, tem meios de coibir que esta pessoa que tem a responsabilidade de guarda e/ou cuidados para com esta criança ou adolescente, siga causando prejuízos.

A medicina bem antes de haver legislação no Brasil, já determinou que este tipo de conduta de forma continuada causa doença, é a Síndrome da Alienação Parental, que tem o CID11 QE52.0.

Sempre ouça e acredite no que seu filho lhe diz, investigue se há fundamentos e fiquem atentos às mudanças bruscas de comportamento, faça perguntas, busque ajuda profissional para entender a verdade e proteger seu filho do agressor psicológico.

Por Alessandra Cervellini

Advogada