Para minimizar os desgastes emocionais no momento do fato, o mais indicado mesmo, seria pensarmos nestas questões antes da partida do possuidor dos bens, utilizando- se de meios legais para deixar encaminhado todos os tramites aos herdeiros.

Há como ser feito também um testamento, abeto ou cerrado, indicando como será feita a partilha dos bens e quem serão os herdeiros.

Outro bom planejamento, seria a abertura de uma Holding familiar, como forma de organizar a sucessão, ou uma Holding que administre os bens da família, há várias formas de organizar a sucessão do patrimônio, tudo depende de como o proprietário dos bens deseja e dos limites da Lei que o advogado deve conhecer com profundidade para não ultrapassar os limites legais.

Por fim, há o inventário que será aberto após o falecimento do possuidor dos bens se ele não fez a transmissão dos seus bens antes do falecimento, este é um procedimento que em geral demora muito tempo e é muito dispendioso.

Por isso quanto mais organizado estiverem os bens do falecido, menos será gasto pela família e seus herdeiros e mais brevemente

irá ser resolvido e findado este processo judicial.

Lembrando que as dívidas também são herdadas e o seu pagamento vai até o limite dos valores recebidos como herança, a divida do falecido deve ser paga com o dinheiro que o falecido deixou aos seus herdeiros, se nada deixou, esta ficará em aberto.

Por Aless